QUANDO DEUS VIRA ÍDOLO

Imagine a seguinte situação: Um evangélico brasileiro, pertencente a uma das muitas denominações cristãs do país, que cotidianamente vai a sua comunidade, mas que ao cultuar, presta enganadamente culto a um ídolo e não ao Deus bíblico.

Estranho, mas é o que acontece em muitas igrejas evangélicas e com milhares de cristãos. Mas como isso pode ser possível? Basicamente quando transformamos Deus em algo que ele não é. Ou seja, um deus fruto da nossa imaginação, e não o genuíno Senhor apresentado pelas escrituras.

O pastor Israel Belo de Azevedo em seu livro “Os dez mandamentos nos dias de hoje”, nos oferece luz ao assunto quando assim afirma: “O próprio Deus pode ser convertido por nós em ídolo, se nos relacionamos com ele numa perspectiva mercantilista. Se o adoramos para receber coisas que esperamos dele, nós o convertemos em ídolo, porque um deus assim não existe…”

Quando nosso conceito de Deus está bem distante daquilo que as escrituras de fato apresentam sobre Ele, então praticamos uma espécie de idolatria. Visto que o deus que cultuamos e servimos em muita coisa difere do apresentado na Bíblia. É idolatria porque é um ídolo segundo nossa vontade e necessidade. É idolatria porque é uma prática reducionista de Deus. Reduzimos e afunilamos Deus, o resumimos e o constituímos em algo que ele não é. É idolatria porque é um deus que está apenas diante de nós, em satisfação a nossa vontade, e não dentro de nós em sujeição a sua vontade.

Concluo essa reflexão afirmando que a Bíblia não esgota absolutamente tudo sobre a Pessoa de Deus. Deus é maior que a Bíblia. Porém, é fato que há nas escrituras uma revelação suficiente daquilo que precisamos saber sobre a pessoa do Criador. Sendo assim, só existe um caminho que nos blinda do grave erro de converter Deus em um medíocre ídolo. Um só é o caminho que nos livra da tentação de criar um deus segundo nossa imagem e semelhança – a saudável leitura bíblica acompanhada de oração, auxílio do Espirito de Deus e da orientação de líderes equilibrados.

Pense nisso!

Weslei Pinha


Deixe seu comentário