POR QUE FALAMOS MAL DAS PESSOAS?

Quantos de nós já não tropeçamos com a língua. Quantas vezes ficamos envergonhados de falar AQUILO que não deveríamos ter falado, na HORA que não deveríamos ter falado, do JEITO que não deveríamos ter falado, COM A PESSOA que não deveríamos ter falado.

Porém, por que mesmo diante do que a Palavra de Deus diz (Irmãos, não faleis mal uns dos outros… Tiago 4.11) e mesmo diante de todas as experiências desagradáveis vividas ou conhecidas, ainda assim praticamos a maledicência?

Algumas possibilidades:

A maledicência une pessoas – Segundo o professor Leandro Karnal, a afinidade entre algumas pessoas é motivada pela fofoca. Como cultivamos da antipatia pela mesma pessoa, nos unimos então através da maledicência contra ela. Ou seja, eu gosto de você, porque você não gosta de quem eu não gosto.

Inveja – Que é manifestada por meio do sentimento de tristeza e até indignação por aquilo que o outro tem ou é.

Suspeitas e julgamentos – A suspeita é uma das armas do maledicente. Ele é doente, suspeita o tempo todo das pessoas e de tudo que lhe acontece. Ele peca duas vezes: Primeiro porque suspeita o mal (ICo. 13), depois porque  julga (Mt.7)

Infelicidade – Pessoas felizes não investem seu tempo falando mal dos outros. Maledicência tem haver com infelicidade.

Porque é mais interessante – É mais interessante exaltar os erros e os defeitos do que tratar das qualidades.

A maioria dos cristãos devem pensar que Deus não leva em consideração o que falamos, porém veja o que o próprio Jesus afirmou:

Mas eu lhes digo que, no dia do juízo, os homens haverão de dar conta de toda palavra inútil que tiverem falado. Mateus 12.36

Após os fariseus afirmarem que Jesus expulsava demônios pelo poder do chefe dos demônios, Ele os adverte: Cuidado com o que vocês falam, pois Deus não nos julgará apenas por aquilo que praticamos, mas também por aquilo que falamos.

Tiago afirma que a fé não está ligada a apenas aquilo que faço, mas também a aquilo que falo (Tiago 3). Assim, o que falo denuncia se sou ou não um verdadeiro discípulo de Jesus.

Weslei Pinha


Deixe seu comentário