PAI NOSSO – O DEUS DE PERTO

Na oração modelo, Jesus não nos ensina a orar invocando Deus como “Altíssimo Poderosíssimo Criador” ou como “Excelentíssimo Senhor Governador Universal”. Não, nada disso! Ele apenas nos pede para o chamarmos e o reconhecermos como Pai.

O ensino de Jesus apresentando Deus como Pai, gerou um ligeiro susto em seus ouvintes, isso por que a expressão Pai denota proximidade e intimidade, algo que não condiz com o Deus que eles conheciam até então. Na antiga aliança Deus a percepção de Deus era de alguém distante, sua presença era temida pelo povo e sua proximidade e intimidade era privilégio de alguns reis, sacerdotes e profetas. Por essas razões imaginamos o impacto no consciente judaico quando ouvem Jesus pedindo a cada um deles que chamem Deus de Pai, “Pai nosso”.

O que está explicito nas palavras iniciais da oração modelo é a bendita verdade da proximidade de Deus para com sua criação quando Jesus introdutoriamente diz: “Pai nosso”.
Antes de “está no céu”, que fala da sua transcendência, antes de “está no céu”, que aponta para sua grandeza, antes de “está no céu” que faz-nos vê-lo com altíssimo, Ele é Pai nosso. “Pai nosso que está no céu”, antes de ser transcendente, Ele é imanente; antes de ser de cima, Ele é de baixo; antes de ser de longe, Ele é o Deus de perto!

Dentre as muitas mensagens a oração modelo tem como objetivo revelar Deus como o Deus de perto. A mensagem do Pai nosso, não foi apenas importante para aquela época quando Deus era visto como alguém distante e inacessível, ela é extremamente relevante para os nossos dias, onde Deus continua sendo para muitas pessoas alguém estranho e inalcançável.

É preciso urgentemente resgatar a certeza da imanência de Deus. Muitos corações estão frios, vazios, desiludidos e incrédulos, por conta de uma ideia ou percepção equivocada da relação de Deus com sua criação. Que a oração do Pai nosso, NÃO TRAGA DEUS ATÉ NÓS, PORQUE ELE JÁ ESTÁ AQUI , MAS QUE ELA NOS LEVE ATÉ ELE e nos faça confiar ainda mais em seu amor e na sua proximidade.

Weslei Pinha


Deixe seu comentário