O QUE FAZ UM PASTOR?

Em uma sala de aula formada por crianças em seus primeiros anos de jornada escolar, ouve-se por parte da professora a seguinte pergunta: O que o seus pais fazem? Lúcia responde: Meu pai constrói casas, ele é pedreiro. Pedro sempre ansioso em participar responde: Meu pai faz pão, ele é padeiro. E assim seguem as diferentes respostas até que João é interrogado: O que seu pai faz João? Em sua inocência João responde: Meu pai não faz nada professora, ele é pastor.

A percepção que João tinha de seu pai, já que não o via engajado em trabalhos braçais ou saindo de casa às 07 da manhã e voltando às 18hs, era que o mesmo não fazia nada, a não ser ir à igreja nos dias de culto. Essa ilustração visa introduzir uma reflexão quanto à ocupação pastoral, não poucas vezes carregada de equívocos e preconceitos. “Não fazem nada”; “ganham no mole”; “Tem vida fácil”. Essas frases muitas vezes proferidas por parentes de pastores, pessoas ainda descrentes do evangelho ou pelos próprios membros de igrejas cristãs, não condiz com o dia a dia da realidade pastoral. De longe, muito longe, esse preconceito de ociosidade não é a realidade entre os pastores. Pelo contrário, aí deles se não tiverem uma agenda organizada para descanso e lazer, visto que “serviço de igreja nunca acaba” – Frase que circula entre pastores.

Existem pastores que são tão preocupados com essa imagem de “desocupado”, que vivem buscando estar ativos para não dar espaço para tal percepção entre seus vizinhos e fiéis de sua comunidade. O que acaba levando-os a doença físicas e emocionais.

Sobre o trabalho pastoral uma pesquisa do New York Times (2010) revelou o seguinte:
25% das esposas dos pastores veem o horário de trabalho do marido como fonte de conflito.
50% sentem-se incapazes de atender às necessidades do trabalho.
75% relatam estresse severo, causando angústia, preocupação, perplexidade, raiva, depressão, medo e alienação.
80% dos pastores afirmam ter tempo insuficiente com o cônjuge.
84% dizem que estão de plantão 24 horas por dia.

Em 2010 o Instituto Irlandês SWNS presentou uma pesquisa divulgada nos grandes sites e revistas do Brasil, um estudo sobre as profissões mais estressantes do mundo. Não para surpresa dos pastores, sua atividade estava entre as 10 profissões mais estressantes do mundo.

Acho que o resultado da pesquisa não condiz com a tese de que pastores não fazem nada ou ganham no mole.

Mas afinal de contas, o que faz um pastor?

Espera-se que um pastor seja um bom conselheiro e se tiver noções de Psicanálise, melhor ainda; Espera-se que um pastor seja um bom Juiz de paz para ajudar na reconstrução de relacionamentos entre casais, pais e filhos. Espera-se que um pastor seja um bom Assistente social para atender necessidades básicas, elaborar projetos de Missão Integral para melhorar a qualidade de vida de pessoas. Espera-se que um pastor seja um bom Coordenador de voluntários. Além de: Gerente de Eventos; Administrador; Visionário; Professor; Palestrante; Escritor e etc. Além destas qualidades, exige-se que seja simpático, atencioso, cuidadoso e moralmente perfeito.

Acho que os pastores fazem muita coisa e não ganham no mole!

Weslei Pinha


Deixe seu comentário