ÉTICA CRISTÃ PARA AS REDES SOCIAIS

Com o aprimoramento da internet e as múltiplas tecnologias da informação, surgiram as Redes Sociais. A primeira rede social surgiu em 1995 nos Estados Unidos e Canadá, chamada Classmates (Colegas de classe). Essa rede social tinha como objetivo promover o reencontro de amigos e conhecidos da escola e da faculdade.

A partir de então as redes sociais se popularizaram. Hoje se estima que metade da população mundial, mais de 3,5 bilhões de pessoas estão conectadas a uma rede social. Segundo pesquisa divulgada em 2020, mais de 140 milhões de brasileiros usam ativamente as redes sociais.

As 7 redes sociais mais usadas no Brasil são: Facebook (129 milhões); WhatsApp (120 milhões); YouTube (105 milhões); Instagram (95 milhões); LinkedIn (46 milhões); Twitter (17 milhões); TikTok (13 milhões).

Dois diferentes fenômenos tecnológicos contribuíram com a impulsão das redes sociais: 1) – O Crescimento e Desenvolvimento da Internet Móvel. O que antes era algo confinado às casas ganhou as ruas e até a zona rural. 2) – Evolução dos celulares tendo como grandes responsáveis, Steve Jobs e a Apple.

Existem múltiplos e diferentes benefícios envolvidos no uso das redes sociais: Entretenimento; Interatividade; Comunicação; Comercial; Troca de Conhecimento e Informação. Estes são alguns dos muitos benefícios presentes na utilização das redes. Mas e quanto aos malefícios? O lado ruim quanto ao seu uso?

PRIMEIRO. VÍCIO E MAU USO DO TEMPO – Segundo pesquisa em média o brasileiro passa mais de 3 horas por dia em redes sociais.

A Doutrina da Mordomia Cristã diz que Deus é dono de tudo e nós administrares daquilo que ele graciosamente nos deu, inclusive do tempo.

Efésios 5.15,16 – Olhai, portanto, cuidadosamente como andais, não como néscios, mas como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus.

Quando Paulo fala sobre remir o tempo, ele está falando do uso sábio do tempo, do seu melhor aproveitamento. Se não vigiarmos as Redes Sociais podem se tornar um grande inimigo da boa administração do tempo, nos privando de ações relevantes e essenciais à vida.

SEGUNDO. AS REDES SOCIAIS E O DESENVOLVIMENTO DE DOENÇAS EMOCIONAIS – Um recente estudo entre jovens e adultos demonstrou que o uso excessivo das redes sociais pode levar o usuário a profunda ansiedade e até a depressão.

Pessoas adoecem por invejarem aqueles que ostentam nas redes sociais; Pessoas adoecem de nervosismo e ira diante de postagens que não condiz com sua forma de ver as coisas; Pessoas adoecem de ansiedade diante da expectativa de curtidas, visualização, comentários, compartilhamentos, número de seguidores ou por viverem um consumo exagerado de notícias. Pessoas adoecem de depressão por viverem mais no mundo virtual do que no mundo real; Pessoas adoecem de mágoas e ódio por entrar em guerra de opiniões e ofensas via redes; Pessoas adoecem de medo diante do consumo de notícias ruins e falsas. Pessoas adoecem de lascívia diante do mundo de sensualidade e nudismo que as redes sociais promovem.

TERCEIRO. DISSEMINAÇÃO DE MENTIRAS “FAKE NEWS” – A falta de credibilidade da impressa tradicional, abriu portas para que acreditássemos com certa facilidade nas notícias e informações que vem via redes sociais. É preciso que fiquemos atentos tanto as “Fake News” da impressa tradicional como as “Fake News” disseminadas via redes sociais.

Penso que diante da possibilidade de estarmos diante de uma Notícia Falsa vale muito a pena imitarmos o comportamento dos cristãos Bereanos:

Atos 17.11 – Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim.

A fonte era confiável, era o grande apóstolo Paulo que falava, mas mesmo assim os bereanos consultavam a Palavra, para ver se as coisas ensinadas eram de fato daquela forma. Um pouco de ceticismo não faz mal a ninguém!

Weslei Pinha


Deixe seu comentário