DISCRIÇÃO NA DEVOÇÃO

“Não faça boas obras ante a multidão com a finalidade de ser notado e aplaudido. Quando der uma esmola não divulgue a todos. Quando for orar, se possível busque o privado, o secreto. E enquanto jejua, não mude sua aparência em busca da admiração alheia”. Mateus 6

A auto promoção e a ostentação do que se tem e do que se faz, tem como causa primaria o intenso desejo que temos pela admiração dos outros, pelo respeito e consideração alheia. Em meio tantas carências, envolto por um mundo que se tornou conectado virtualmente, tocar a trombeta e dizer pra todo mundo o que se faz se limitou a um celular com internet. Anteriormente isso só era possível aos ricos e famosos que se apresentavam para o Brasil através da revista “Caras”. Mas o que antes era coisa de uma elite, hoje, desde a criação das redes sociais a auto promoção e a ostentação foi democratizada.

Diante das motivações e dos hábitos que regem nossa sociedade viver a discrição ordenada por Jesus no Sermão do Monte se tornou um verdadeiro desafio. Naquele tempo havia o que podemos chamar de ostentação da religiosidade. Não havia as “redes”, mas havia as praças, as esquinas, as plataformas, a voz que evocava o auto louvor. Os grandes ostentadores da pseudo espiritualidade eram os religiosos das facções dos fariseus, saduceus e escribas, que assim como nós, eram sedentos pela admiração dos outros.

No caso dos atos de caridade, Hendriksen afirma “Eram hipócritas, porque fingiam dar, quando na verdade, tinham a intenção de receber, as honrarias humanas”.

É tentador não propagar nossos atos de bondade; é tentador não divulgar nossos êxitos e experiências de sucesso; é tentador manter apenas conosco nossas profundas e disciplinadas práticas de devoção. É tentador, mas segundo Jesus é uma tentação que deve ser vencida. Porque se não o fizermos, já teremos recebido nossa recompensa. E por que disso? Simples, pois quem assim faz, o faz para os homens e não para Deus. Para glória pessoal e não para Glória do Pai celestial que nos vê em secreto.

Assim, segue o conselho do sábio: Não chame atenção para você mesmo; deixe que os outros elogiem você. Provérbios 27.2

Weslei Pinha


Deixe seu comentário