A ÚNICA BARGANHA ACEITA POR DEUS

Barganha é a troca de benefícios entre seus proprietários ou responsáveis. Barganhar é uma pratica presente nos mais diversos setores da sociedade. Existe barganha entre marido e mulher; pais e filhos; amigos; empresários e cliente; patrão e empregado; professores e alunos; políticos e eleitores e vice versa. A Barganha que nem sempre é algo ilícito, extrapolou o ambiente sociológico e se tornou prática comum no campo religioso, em especial entre os cristãos e seu Deus.

A barganha religiosa evoluiu tanto no cenário evangélico brasileiro, que extrapolou os arraiais neopentecostais e está presente hoje nas mais diversas ramificações do protestantismo brasileiro. O negócio é tão sério que ouso a dizer que vivemos hoje a religião da barganha.

Se barganhar é o mesmo que trocar, os pseudos cristãos oferecem hoje obediência sincera a Deus em troca de curas; oferecem mega ofertas em troca de prosperidade; oferecem esmolas em troca de sucesso pessoal; oferecem até sua dedicação ao Reino de Deus em troca de reconhecimento no mundo gospel.

A barganha é uma prática que envolve duas partes, porém quando o assunto é a barganha com Deus, o pseudo cristão ignorante não percebe que está negociando sozinho, visto que o Criador não só não aceita a barganha, Ele abomina. Por pelo menos 7 motivos:

1 – A barganha leva o cristão a buscar a Deus pelo favor e não pelo amor.
2 – A barganha leva o cristão a buscar a Deus por aquilo que ele pode fazer e não por aquilo que Ele É.
3 – A barganha leva o cristão a buscar a Deus pela tentativa de manipulação e não por sincera submissão.
4 – A barganha leva o cristão a buscar a Deus pela realização da sua própria vontade e não no comprimento da vontade de Deus.
5 – A barganha leva o cristão a buscar a Deus através da técnica e não através do relacionamento.
6 – A barganha leva o cristão a buscar a Deus como objeto e não como sujeito.
7 – A barganha leva o cristão a buscar a Deus apenas como um ser imanente e não como um ser também transcendente.

Depois desse veemente combate a religião da barganha e do repúdio de Deus a essa prática, afirmo que mesmo diante de tudo que foi exposto, há uma única BARGANHA aceita por Deus em toda a Bíblia, Mateus 6.12:

Perdoa os nossos pecados, assim como perdoamos a quem nos tem ofendido.

Jesus não só ressalta a condição do perdão no seio da oração modelo, mas também o faz no término dela quando diz: Se perdoarem as vossas ofensas uns aos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas. Mateus 6.14,15.

Diante desse “negócio” só sairemos ganhando não através do argumento, mas da prática do perdão. Perdoe, para que sejas também perdoado!

Weslei Pinha


Deixe seu comentário