Cada ser humano, um Bom Samaritano!

Creio que um dos propósitos de Jesus (se não o maior) ao contar a parábola do Bom Samaritano (Lucas 10.30) é que cada ser humano, viva como tal. Dentre outras coisas viver como Bom Samaritano é ter a capacidade de sentir e agir em compaixão para com o diferente. O texto diz que o homem ferido (quase morto) a beira do caminho era um Judeu. Os judeus consideravam seus vizinhos samaritanos uma raça inferior, além de praticantes de falsa religião. Principalmente por esses motivos (raça e fé) havia por parte dos judeus maiúsculo preconceito e não pouco ódio pelos samaritanos e vice-versa.

Por esses e outros fatores o samaritano poderia ter negado socorro ao judeu, mas para surpresa dos ouvintes de Jesus, ele não levou nada disso em consideração, simplesmente o texto diz: “Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão…” Lucas 10.33. Através dessa história o Mestre do amor revela sua vontade – que cada ser humano tenha a capacidade de sentir e agir em compaixão sem qualquer discriminação.

Um dia tratando desse assunto, Jesus assim nos desafiou:

“Que mérito vocês terão, se amarem aos que os amam? Até os ‘pecadores’ amam aos que os amam. E que mérito terão, se fizerem o bem àqueles que são bons para com vocês? Até os ‘pecadores’ agem assim. E que mérito terão, se emprestarem a pessoas de quem esperam devolução? Até os ‘pecadores’ emprestam a ‘pecadores’, esperando receber devolução integral. Amem, porém, os seus inimigos, façam-lhes o bem e emprestem a eles, sem esperar receber nada de volta. Então, a recompensa que terão será grande e vocês serão filhos do Altíssimo, porque ele é bondoso para com os ingratos e maus. Sejam misericordiosos, assim como o Pai de vocês é misericordioso”.  Lucas 6.32-36

 Três importantes observações podem ser destacadas aqui:

1º – É FALSA A SOLIDARIEDADE CRISTÃ QUE SE LIMITA A SERVIR APENAS OS PARES.  A solidariedade Cristocêntrica consiste em servir quem não conhecemos (o próximo que não é próximo); que difere de nós em matéria de fé e ideias; consiste em ser solidário com quem não simpatizamos ou ainda servir quem não tem a possibilidade de retribuição. Segundo Jesus, não há louvor, não há grandeza de espírito em ser caridoso apenas com aquele que desfruta da nossa afeição.

2 – A FILIAÇÃO DIVINA É EVIDENCIADA PELA CAPACIDADE DE AGIRMOS COM COMPAIXÃO COM QUEM APARENTEMENTE NÃO MERECE. Amem, porém, os seus inimigos, façam-lhes o bem e emprestem a eles, sem esperar receber nada de volta. Então, a recompensa que terão será grande e vocês serão filhos do Altíssimo…” Lucas 6.35

 A fé é a causa da nossa Salvação, já as obras a evidência dela. Não somos salvos pelas obras, mas para as obras. Assim sendo, as obras desprovidas de seletividade são provas do nosso verdadeiro encontro com o Pai de toda misericórdia. São provas cabais que deixamos de ser filhos das trevas e passamos a ser filhos da luz.

 3 – SENTIR E AGIR EM COMPAIXÃO PARA COM O DIFERENTE É A OPORTUNIDADE DA CRIATURA IMITAR O CRIADOR. “…porque ele é bondoso para com os ingratos e maus. Sejam misericordiosos, assim como o Pai de vocês é misericordioso”. Lucas 6.35,36

Sabedores que não somos dignos das bênçãos de Deus (ninguém é), mesmo assim Ele, o Pai de toda bondade, por sua Graça faz com que chuvas de bênçãos sejam derramadas sobre justos e injustos. Dessa forma, cada Criatura se assemelha a Deus quando age em compaixão e graça com aqueles que julgamos indignos do nosso favor.

O mundo clama por Bons Samaritanos!

Weslei Pinha


Deixe seu comentário