QUANDO O CULTO VIRA RITUAL

Enquanto o genuíno culto cristão é uma das expressões de devoção e adoração dedicadas ao Criador, o ritual se limita à apenas um conjunto de práticas rotineiras e meramente religiosas sem qualquer validade diante de Deus.
Diante do caótico cenário evangélico brasileiro, desprovido de direção bíblica e profundidade na relação com o Senhor, afirmo que boa parte dos cristãos brasileiros que se dirigirem às suas igrejas a prestarem culto a Deus, estão na verdade de forma inconsciente praticando um mero ritual. Que ao invés de gerar satisfação em Deus, lhe provoca nojo e repulsa.

Veja o exemplo de um culto que virou mero ritual:
“Para que me oferecem tantos sacrifícios?”, pergunta o Senhor. Para mim, chega de holocaustos de carneiros e da gordura de novilhos gordos; não tenho nenhum prazer no sangue de novilhos, de cordeiros e de bodes… Parem de trazer ofertas inúteis! O incenso de vocês é repugnante para mim. Luas novas, sábados e reuniões! Não consigo suportar suas assembleias cheias de iniquidade. Isaías 1.11 e 13

Quando transformamos o culto em mero ritual?

1º – QUANDO CRISTO NÃO É O CENTRO
Se o que me motiva, me impulsiona a estar no culto é a possibilidade do milagre, a envolvente e boa música apresentada ou ainda os dons e habilidades do pastor e não a magnifica pessoa de Cristo, então meu culto não tem nenhuma validade diante de Deus.

2º – QUANDO FAÇO COM A MOTIVAÇÃO ERRADA
Quantos caem no erro de fazer as coisas certas com as motivações erradas. Para Deus não importa apenas fazer o certo, mas fazer o certo com as motivações e intenções certas. Quando as motivações de culto giram em torno de auto apresentação, ostentações, ver e ser visto, cumprimento de obrigações religiosas ou mero hábito, então transformamos o culto em um mero rito vazio.
3º – QUANDO FAÇO SEM DISCERNIMENTO
Paulo criticou a igreja de Corinto que prestava cultos a Deus sem qualquer clareza e discernimento. O culto é uma expressão de adoração à grandeza de Deus, quando não compreendo isso, faço sem o devido amor, profundidade e reverência. Assim, transformo o sagrado em profano.

4º – QUANDO DESPREZO MEU IRMÃO
Um dos motivos de Deus rejeitar o culto dos judeus nos tempos do profeta Isaias foi o desprezo ao próximo. Eram injustos, opressores e não lutavam pelos direitos dos mais necessitados. Quando valorizo Deus e desprezo meu irmão, transformo o agradável em desagradável, o aceitável em reprovável, o celestial em carnal, o bom em mau.

Não deixe seu culto virar ritual!

Weslei Pinha


Deixe seu comentário