PASTOR: UMA DAS ATIVIDADES MAIS ESTRESSANTES DO MUNDO

PASTOR: UMA DAS ATIVIDADES MAIS ESTRESSANTES DO MUNDO

O instituto de pesquisa irlandês SWNS presentou há quase 10 anos uma pesquisa amplamente divulgada nos grandes sites e revistas do Brasil, um estudo sobre as profissões mais estressantes do mundo. Nela líder religioso aparece entre as 10 atividades que mais dão dor de cabeça no mundo.

Para grande parte das pessoas (até mesmo membros de comunidades evangélicas) que não conhecem e não entendem a dinâmica do ministério pastoral, ser pastor é algo tranquilo e cômodo. Mas isso está longe de ser uma verdade por pelo menos 5 motivos:

1 – UMA EXPECTATIVA POR QUASE PERFEIÇÃO
Quando esperamos que o pastor acerte sempre; Quando nos revoltamos com pequenos deslizes em relação ao trato; Quando não toleramos suas também fragilidades emocionais ou equívocos na liderança, sem levar em consideração que estamos diante de um ser humano, então desumanizamos a figura do pastor e passamos esperar dele, aquilo que ele não tem e não pode oferecer – perfeição, acertos em tudo. Um dia uma irmã de nossa comunidade de fé me abraçou e disse: “As pessoas precisam entender que você é gente”! As comunidades cristãs precisam entender que pastor é gente, gente em processo de santificação como todos.

2 – SITUAÇÕES QUE ENVOLVEM EMOÇÕES EXTREMAS
Sábado dia 2 de novembro de 2018, eu estava em um retiro de jovens. Um ambiente marcado de muita alegria. Mas ao final daquele dia eu recebi uma ligação trazendo a triste notícia da morte de uma irmã de nossa comunidade. Então saí daquele ambiente de alegria para um ambiente de luto. E depois de realizar o culto fúnebre, tive que retornar para o retiro.

Em meu curto ministério já vivi várias situações semelhantes. Pastores convivem o tempo todo com notícias boas e ruins, situações alegres e tristes. E nessa dinâmica que envolvem situações emocionais tão extremas, o pastor convive com o perigo da somatização, que são doenças causadas por alterações emocionais.

3 – POR SEU PRINCIPAL OBJETO DE TRABALHO, GENTE
O principal objeto de trabalho do pastor não são papéis; Não é com material de construção ou gêneros alimentícios; Não é com objetos inanimados. O principal objeto de trabalho do pastor é gente!

É principalmente por seu lidar com gente que a atividade pastoral está entre as mais estressantes do mundo.

O pastor lida com pessoas curadas, mas lida também com pessoas profundamente doentes de alma; Lida com pessoas gratas que reconhecem sua contribuição, mas lida também com pessoas ingratas, que sofrem de encurtamento da memória; Lida com pessoas amorosas, mas lida também com pessoas amarguradas e desagradáveis; Lida com pessoas resolvidas, mas lida também com pessoas altamente complexadas. Gente as quais o pastor deve tolerar suas limitações e conduzi-las por um caminho de mudança.

4 – MÚLTIPLOS PAPÉIS
O que se espera de um profissional da área de vendas? Que ele venda.
O que se espera de um profissional da área de administração? Que ele administre.
E de um advogado? Que ele advogue.

E de um pastor? Que ele pregue certo? Errado! Espera-se mais.

Pastor precisa ser um bom conselheiro, um bom Juiz de paz, um bom assistente social, um bom coordenador de voluntários, gerente de eventos, administrador, professor, palestrante, escritor… Mais alguma coisa?

Um pastor nunca é só um pastor!

Porém, o que muitos ainda não sabem é que segundo Atos cap. 6, o principal papel vocacional do pastor é o ensino das escrituras. Tudo que se faz além é graça de Deus na vida do pastor e graça do pastor na vida da Igreja.

5 – AS CONTRADIÇÕES DA COMUNIDADE EM RELAÇÃO A FÉ
As contradições da comunidade em relação à fé é o abismo entre a fé e a prática. É aquilo que a Bíblia diz que devemos ser e fazer, mas que parte da comunidade ignora. Tais contradições constituem em mais um peso no ministério, gerando no coração do verdadeiro pastor tristezas e angustias.

Diante de tudo isso cito as palavras de dois pastores, Ricardo Agreste e Gerson Borges:

“As nossas igrejas precisam olhar para os nossos pastores com mais carinho, precisamos aprender a honrar àqueles que se dedicam com seriedade, precisamos aprender a honrar àqueles que se dão sem limites”.

“O pastor, como os profissionais da saúde, os policiais e outras carreiras de risco, deveriam ser cuidados e não apenas cuidar. Quem cuida do pastor”?

Do também Pastor Weslei Pinha


Deixe seu comentário