ANSIEDADE

O Dicionário de Língua Portuguesa define ansioso como aquele que demonstra inquietação; que exprime angústia; angustiado, inquieto. Quanto sua etimologia, a palavra ansioso vem do Latim anxietas, “angústia, ansiedade”, “apertar, estreitar”, “mente perturbada, pouco à vontade”. Já no grego a palavra é merimnas, um composto de duas palavras gregas, “merizo”, “divide”, e “nous”, “a mente”. Dessa forma, o estado de ansiedade é também um estado de mente dividida entre o hoje e o amanhã, o presente e o futuro, o real e o imaginário.

Em condições de ansiedade nosso corpo libera substâncias químicas no sangue, como a adrenalina, que nos prepara para reação diante de um perigo real, luta ou fuga. Essa reação química do organismo é fundamental para preservação da vida ou para situações que exige total estado de atenção.

O problema é que quando nos preocupamos de forma exagerada com algo, o corpo entende que estamos em situação de risco real e passa a liberar mais e mais adrenalina. Dessa forma, quem vive um estilo de vida marcado pela ansiedade, poderá ter várias descargas de adrenalina na corrente sanguínea durante o dia. Gerando assim, consequências desastrosas à saúde física e emocional.

Diante disso, entendemos que há a ansiedade benéfica, natural e necessária, que nos prepara para situações de ameaça, nos colocando em total estado de alerta e vigilância. O que não é natural e nem um pouco benéfico, mas altamente danoso, é a ansiedade fruto dos medos imaginários e preocupações irreais e fúteis, que “engana” o organismo fazendo-o entender que estamos em perigo. Essa combinação de ansiedade desnecessária e adrenalina trará consigo graves consequências a vida do ansioso.

A ansiedade sempre foi um sentimento presente na vida dos seres humanos, porém, hoje, a ansiedade constitui-se na mais grave doença emocional do nosso tempo. Para constatar essa afirmação basta olhar para nós mesmos ou a nossa volta para perceber como as pessoas estão cada vez mais preocupadas, angustiadas e apressadas. Sem falar em como cresceu a produção de ansiolíticos e como estão abarrotados os consultórios dos profissionais que tratam da mente humana. Para Augusto Jorge Gury, escritor brasileiro e psiquiatra, a ansiedade constitui-se hoje no mal do século. Um sentimento com profundos efeitos no corpo e na mente humana capaz de interferir profundamente na nossa forma de viver.

Sabedor dos danos da ansiedade no corpo, na mente e na espiritualidade, Jesus ordenou aos seus ouvintes: “Não andeis ansiosos…” Mateus 6.25.

Do também Ansioso, Weslei Pinha


Deixe seu comentário