A ESPIRITUALIDADE DE JESUS

Espiritualidade na cristandade pode ser definida como forma pela qual desenvolvemos nossa relação com o Deus Criador. Assim como é relativa nossa definição de espiritualidade é sua expressão prática no cristianismo católico, protestante e pentecostal. Onde cada um tem sua forma vivê-la e defini-la como superior ás demais.

Em algumas comunidades de fé, espiritualidade tem relação intrínseca com modo como se veste, forma como se cultua, dons do Espírito, linguagem típica do meio, obediência a normas eclesiásticas e observação de tradições meramente humanas e religiosas, que nada tem haver com doutrina bíblica. Mas caso esses indicadores de suposta espiritualidade não sejam encontrados na vida do fiel, logo ele será taxado como carnal, incrédulo e liberal.

Diante de tamanha relatividade e pluralidade quanto à espiritualidade cristã, fica a pergunta: Mesmo diante da individualidade de cada ser, existe uma forma correta, um padrão de espiritualidade a ser imitado? Ou será que não, pois a espiritualidade é algo solto, sem limites e livre de qualquer forma e modelo?

Minha opinião é que temos sim, uma forma de espiritualidade a ser seguida e imitada – JESUS DE NAZARÉ!

Se espiritualidade é a maneira como desenvolvemos nossa relação com Deus, como Jesus desenvolveu sua relação com o Pai? Quais as principais marcas de sua espiritualidade que devem ser por nós imitadas, com o objetivo de expressarmos a genuína espiritualidade?

Eu defino a espiritualidade de Jesus em uma palavra – DEVOÇÃO! Devoção ao Pai, devoção às pessoas. Devoção é dedicação, vida consagrada e separada exclusivamente a Deus e aos outros.

A devoção de Jesus a Deus vai além da prática das disciplinas espirituais, ela é marcada por uma alma que ardia de desejo pelo Pai. Mais do que uma devoção marcada pela obediência, a devoção de Jesus foi marcada pelo amor. Diferente da espiritualidade do Mestre, a nossa pseudo espiritualidade é marcada pelo medo e pelos interesses pessoais. Diferente disso, devoção é a entrega absoluta de tudo aquilo que temos e somos a Deus.

Mas a espiritualidade de Jesus não foi expressada apenas por íntimos encontros com Deus, mas também por encontros com gente. O nome disso é espiritualidade horizontal ou espiritualidade relacional. Espiritualidade que nos leva em direção do outro. Jesus esteve com gente, das mais “santas” às mais pecadoras; se comoveu e agiu em favor a dor alheia; desprovido de preconceito acolheu todos, crianças, mulheres, samaritanos e até fariseus; Se doou de forma sacrificial por todos, até por quem o negou e o nega.

Cristãos que não gostam de gente, que não se envolvem com pessoas, que não compartilha e doa, está longe da verdadeira espiritualidade.

Pastor Ed René Kivitz afirma que “Pessoas precisam de Deus, mas pessoas também precisam de pessoas”.

Devoção ao Pai, devoção ao outro!

Weslei Pinha


Deixe seu comentário